BLOG – GO.ON

KPIs de logística: como eles podem te ajudar a melhorar resultados?

KPIs de logística: como eles podem te ajudar a melhorar resultados?

A área logística merece atenção especial. Por várias razões: atendimento às expectativas do cliente, rapidez de entrega de mercadorias ao mercado, competitividade etc. Dentro disso, a definição de KPIs é cada vez mais importante. Com esses indicadores claros e devidamente acompanhados é possível manter os processos logísticos em perfeito funcionamento.

Mas, espere. Você sabe o que são KPIs e por que eles são importantes para a sua gestão de logística?

O que são KPIs?

Do inglês Key Performance Indicators, KPIs são, como o próprio nome sugere, indicadores chave de performance. Ou seja, valores mensuráveis que demonstram como efetivamente uma empresa está atingindo seus objetivos de negócios.

Normalmente, as organizações usam KPIs em vários níveis para avaliar seu sucesso ao atingir planos de ação. Os KPIs de alto nível podem se concentrar no desempenho geral da empresa, enquanto os KPIs de baixo nível podem se concentrar em processos de departamentos como vendas, marketing, produção e logística.

Por que KPIs são importantes para a logística?

Da mesma forma que são importantes para o chão de fábrica, os KPIs são fundamentais na gestão logística. É por meio deles que os gestores conseguem avaliar o desempenho da cadeia de suprimentos ou demais processos da área.

Ao definir indicadores chave de desempenho, fica mais fácil gerir e mensurar resultados, uma vez que todos os profissionais envolvidos, de ponta a ponta, sabem exatamente o que precisa ser entregue para que os processos logísticos estejam dentro do esperado pela empresa.

Quais são os principais KPIs para uma operação logística?

Agora que já entendemos o que são KPIs e sua importância dentro da gestão logística, vamos enumerar quais são mais utilizados pelas empresas.

É importante lembrar que cada negócio pode definir seus próprios indicadores, mas, em linhas gerais, aqui estão os oito mais comuns:

1. Entregas realizadas com sucesso

Esse KPI mostra a capacidade da empresa de entregar na data de chegada requerida, programada ou prometida para o cliente.

Ter uma entrega precisa de prazo é fundamental tanto a satisfação do consumidor quanto para a otimização da logística como um todo, uma vez que atrasos e extravios podem gerar inclusive prejuízos financeiros.

Normalmente, se este indicador estiver abaixo do percentual estabelecido como aceitável (98%, por exemplo), é importante que os processos de entrega sejam revistos e aprimorados.

2. Custo com não-conformidades no transporte

Com esse indicador, a empresa acompanha todos os custos que são gerados quando há atrasos, extravios de mercadoria etc.

Por mais redondo que esteja o processo de entrega, podem acontecer atrasos por diversos fatores (trânsito, retenção em postos de tributação etc.). Mas, é importante ter os gastos gerados com esses problemas na ponta do lápis, pois eles podem impactar na lucratividade do negócio.

3. Avarias no transporte

Controlar todas as mercadorias que são danificadas no processo de transporte também é fundamental. Com isso, além de detectar falhas e buscar saná-las para não sofrer impactos no faturamento e também não prejudicar o cliente, o gestor consegue cobrar ajustes no trabalho dos profissionais.

4. Tempo do ciclo de logística reversa

Também é importante medir o tempo entre a identificação da mercadoria como parte do fluxo reverso e o seu devido encaminhamento para armazenamento, conserto, descarte etc.

Normalmente, esse é um indicador acompanhado mensalmente que serve como base para tomar decisões em relação a determinados produtos que sofrem mais devoluções, por exemplo.

5. Índice de atendimento do pedido

Conhecido no meio logístico como “Order Fill Rate”, esse indicador mede o percentual de pedidos que são totalmente atendidos (quantidade e diversidade de itens), no primeiro envio ao consumidor.

É um KPI muito importante, pois demonstra como a empresa está no quesito “gerar primeira impressão a um novo cliente”.

6. Tempo do ciclo do pedido

É conhecido também como “Order Cycle Time” e ajuda a mensurar o tempo decorrido entre o recebimento do pedido e a data em que foi realizada a entrega.

Há empresas que medem detalhadamente a data (ou hora) de pedido até a data de disponibilização da mercadoria na expedição. Assim, classificam esse indicador como “Tempo de Ciclo de Pedido Restrito”.

7. Produtividade na separação de pedidos

Também é preciso medir a produtividade da equipe que realiza a separação de pedidos. No caso em que os pedidos são classificados como uniformes, utiliza-se o número de pedidos; nas situações em que o número de itens ou quantidades variar muito, utiliza-se o número de linhas; e na separação de peças pequenas, são utilizados itens.

Normalmente, esses dados são analisados mensalmente para entender o quanto a equipe está sendo efetiva e se há necessidade de fazer melhorias (treinar, contratar mais pessoas etc.).

8. Acuracidade no endereço

Esse indicador é usado em auditorias periódicas. Ele mede a conformidade do endereçamento dos materiais recebidos e/ou enviados no sistema, nas notas fiscais e nas etiquetas de embalagens. Ajuda a evitar erros que podem se transformar em extravios ou perda de mercadoria.

A tecnologia pode ajudar na gestão de KPIs

Também é importante pontuar que para ter uma gestão de KPIs mais precisa, fazer uso de ferramentas tecnológicas nos processos logísticos pode ser muito útil.

Com a solução on.delivery, por exemplo, a empresa otimiza toda a parte de entregas e consegue ter dados online e sempre atualizados para tomar decisões estratégicas.

Como os KPIs de logísticas são tratados na sua empresa? Você gostou deste artigo? Deixe seu comentário!